#PostCalango: 5 discos essenciais do choro, por Breno Morais

12077513184_219405ab19_k

Já centenário, o chorinho reuniu em sua história grandes talentos que criaram grandes álbuns. Selecionar alguns dentre tantos é muito complicado, por isso o critério foi de discos que marcaram minha vida e meu aprendizado como músico, influenciando diretamente, ou simplesmente álbuns que adoro ouvir.

Anote essas dicas e corra atrás!

“Pixinguinha”, Paulo Moura e os Batutas.

Esse é um disco enérgico, gravado ao vivo, onde Paulo Moura recria a obra do Pixinguinha. Foi gravado para comemorar o centenário do mestre. Esse disco foi o que me fez gostar de choro. Foi nele que ouvi, pela primeira vez, a obra que estudava.

“Mauricio Carrilho”, Maurício Carrilho.

Lançado em 2005, esse álbum é ótimo. Mas o motivo da escolha por ele é a maravilhosa “Choro Cubano”. A musicalidade e a mistura de gêneros que fazemos no Taruíra também pode ser vista nessa faixa.

“Gargalhada”, Paulo Sérgio Santos Trio

Recheado de ótimos temas, foi lançado em 2001 e traz o grupo do clarinetista com virtuose. Imperdível.

“Dois irmãos”, Paulo Moura e Raphael Rabello

Outro do Paulo Moura! Esse é um disco de temas camerísticos, para pequenas formações. Uma verdadeira obra-prima.

“Choros e Alegrias”, Moacir Santos

Esse foi o último álbum do mestre. Reuniu temas inéditos e com uma ligação fortíssima com o chorinho. É um verdadeiro carinho para qualquer fã de música brasileira.