Uma das canções de José Siqueira de Alcântara, composta há 30 anos e gravada apenas em 2013, já está recebendo sua primeira releitura. “Razão” é uma das faixas do disco “Entre Nós”, e ganhou um novo arranjo do grupo Taruíra, sexteto de choro contemporâneo que lançou o vídeo para a música nessa segunda-feira (13) em seu canal do YouTube.

Siqueira, como é conhecido, é integrante da Velha Guarda da Mangueira e já tocou com alguns dos principais nomes do chorinho. O cavaquinista lançou seu primeiro CD apenas aos 75 anos – e mais de 450 composições depois. Uma das 14 músicas do álbum era “Razão”, que ganhou arranjo e violão de sete cordas de José Roberto Leão e saxofone tenor de Carlos Watkins, ambos integrantes do Taruíra, além da participação de Dirceu Leite no clarinete.

“É um tema criado para instrumentos de sopro, em especial os de gafieira. Nessa música, Siqueira revela um pouco da convivência com o amigo e grande clarinetista Pitanga, com quem tocou durante muito tempo”, conta Leão.

A música, que é uma das mais recentes adições ao repertório do Taruíra, faz parte das rodas de choro que o sexteto realiza há mais de quatro anos em Petrópolis (RJ). As apresentações deram origem ao vídeo, gravado ao vivo em frente a um dos principais cartões postais de cidade, o Palácio Quitandinha, durante o Festival Sesc Rio de Inverno.

Desde o lançamento de seu primeiro DVD, em 2009, o Taruíra vem fazendo o resgate de alguns dos mais importantes temas do choro, sempre com arranjos próprios. Entre os últimos lançamentos estão as faixas “Carioquinha”, de Waldir Azevedo, e “Espinha de Bacalhau”, de Severino Araújo, ambas disponíveis em sua página do Soundcloud.

Assista!

DSC_2131

Das rodas de chorinho para o estúdio: dando continuidade ao resgate de algumas das mais tradicionais músicas do gênero, o grupo petropolitano Taruíra levou “Carioquinha”, de Waldir Azevedo, das praças para a rede. O sexteto lança, nesta sexta-feira (25), a faixa em suas páginas oficiais na internet.

Presença garantida das apresentações do Taruíra, a música colocava o público para dançar. Por se encaixar perfeitamente no repertório alegre e plural do grupo, que mescla baião, samba e até jazz ao choro, a música ganhou um arranjo original e versátil – e, agora, um registro em forma de gravação.

“Incluir ‘Carioquinha’ nas rodas de choro que fazíamos todos os domingos fazia muito sentido, pois era uma música bastante swingada, com um balanço peculiar, como todas do Waldir! Para a nossa formação, se encaixava bem, pois dividíamos os solos de melodia entre o cavaquinho, o saxofone soprano e o sax tenor, além de ser ótima para improvisos. Foi um arranjo coletivo, feito por todos nós, que passou por uma maturação e muitas alterações até chegar neste formato, então resolvemos registrar”, conta Breno Morais, flautista e saxofonista do Taruíra.

A gravação marcou um novo momento na trajetória do grupo: o de experimentação. Acostumado a registros ao vivo, com todos os músicos tocando juntos, o sexteto instrumental optou por gravar, depois da guia pronta, em duplas: percussão (Yuri Garrido na bateria, Leandro Mattos no pandeiro), seguida pelas cordas (o cavaco de Guto Menezes e o violão de sete cordas de José Roberto Leão) e, por fim, os sopros (Breno Morais no sax soprano e Carlos Watkins no sax tenor).

“Carioquinha” se une a uma seleção de choros resgatados pelo Taruíra. O grupo cria os seus próprios arranjos para temas considerados tradicionais, incorporando a eles sua sonoridade, que flerta com a música brasileira em geral e também com a latina. O último lançamento do Taruíra foi “Espinha de Bacalhau”, música de Severino Araújo. Todas as faixas são disponibilizadas gratuitamente em suas páginas oficiais na internet: no site, no Facebook e no Soundcloud.

Ouça abaixo!